terça-feira, 8 de junho de 2010

Análise Sintática - Noções Gerais

Conforme foi dito aqui no último post, fiquei de abordar sobre análise sintática, esse assunto tão "temido" da nossa língua portuguesa. Mas, apesar dessa má fama, a análise sintática não é nenhum bicho de sete cabeças.
Quando a análise sintática é aprendida através de uma explicação mais simplificada (e não decorada, como muitos tentam fazer), não há grandes dificuldades. Por isso, vamos por partes. A intenção é abordar o assunto por capítulos, que serão postados sequencialmente, de forma a facilitar o aprendizado.

Em linhas gerais, a análise sintática encarrega-se de examinar, classificar e reconhecer as estruturas da sintaxe, que são os períodos, as orações e os termos das orações. A análise sintática segue uma sequência lógica: o período é decomposto em orações, as orações separadas em sujeito e predicado, e estes são analisados.
.
Termos Básicos

Os termos básicos formam a estrutura do todo. Uma frase é todo trecho que possui sentido. Oração é uma frase, ou parte de uma frase que possui estrutura sintática completa ou quase completa. Em uma frase, pode existir uma ou mais orações. Existem vários tipos de orações, e estas são classificadas de acordo com sua função sintática na frase. Se uma oração depende da outra, chamamos uma de "principal" e a outra de "subordinada". Se uma não depender da outra, chamamos de "coordenada". O período é classificado de acordo com a quantidade de orações que há na frase. Se houver apenas uma oração, o período é simples; se houver mais de uma, ele é composto.  Exemplos:

Chove forte. (uma oração e período simples)

Chove forte,/ mas eu trouxe meu guarda-chuva. (duas orações: a primeira é a principal e, ao mesmo tempo, coordenada; a segunda é subordinada; o período é composto)

Termos Essenciais

Os termos essenciais formam as partes mais importantes na frase: o sujeito e o predicado. Sujeito é "quem" ou "o que" realiza a ação. O predicado é o local onde ocorrem essas ações. Exemplos:
.
Eu fui ao mercado. (sujeito: eu)

Naiara e Estefani viajaram. (sujeito: Naiara e Estefani)

O violino custou caro. (sujeito: o violino)

Assim, concluímos que os sujeitos das frases são: "eu", "Naiara e Estefani" e "o violino". "Fui ao mercado", "viajaram" e "custou caro" são predicados.

Existem vários tipos de sujeitos e predicados, assim como existem vários tipos de frases, orações e períodos, mas isso é assunto para outro post.

Espero que essa breve introdução esclareça alguns conceitos básicos e que suscite dúvidas, pois é com as dúvidas que temos a oportunidade de aprender mais profundamente a respeito de qualquer coisa.

Mandem suas dúvidas através dos comentários que falaremos sobre elas aqui no Ortografando.

Até mais!

4 comentários:

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

beleza! e que é ^sintática^? e por que o ^chove forte, etc.^ também tem papel de oração coordenada?
DdAB

Luciana disse...

Olá, Duílio!

Respondendo às suas perguntas:

1. O que é "sintática"?

A palavra "sintática" vem de "sintaxe", que, segundo o dicionário Aurélio, é a "parte da gramática que estuda a disposição das palavras na frase e das frases no discurso."

2. E por que o "chove forte" também tem papel de oração coordenada?

A oração "Chove forte" é a oração principal no exemplo dado no post (Chove forte,/ mas eu trouxe meu guarda-chuva), mas também é considerada oração coordenada, já que ela não depende da segunda oração "mas eu trouxe meu guarda-chuva", pois tem sentido completo. Conforme foi postado aqui, "se uma (oração) não depender da outra, chamamos de 'coordenada'."

Bom, espero ter esclarecido suas dúvidas. Qualquer coisa, estou à disposição para novos esclarecimentos.

Obrigada pela participação!

Anônimo disse...

Dúvidas sobre locução nominal...você pode postar noções referente ao assunto? obrigada.

Luciana disse...

Olá, "Anônimo"!

Em breve postarei sobre locução nominal.

Obrigada pela visita!